Motoristas vão do céu ao inferno na ‘Rodovia da Morte’

Motoristas mineiros convivem com estradas precárias e que não passaram por melhorias significativas nos últimos anos

Com a maior malha rodoviária do país, Minas Gerais fica dividida no que diz respeito às condições de trafegabilidade oferecidas a motoristas e passageiros. Segundo a 15ª Pesquisa da Confederação Nacional de Transportes (CNT), feita em 92.747 quilômetros de rodovias pavimentadas brasileiras e divulgada nesta quarta-feira (26), dos 14.176 quilômetros percorridos no território mineiro, 58,5% se encontram em condições regular, ruim ou péssima e 41,5% foram considerados em bom e ótimo estados, ideais para que as pessoas possam viajar mais tranquilas.

“As rodovias mineiras não têm apresentado melhorias significativas e podem ser classificadas, em uma média geral, apenas como razoáveis. A situação das privatizadas é indiscutivelmente melhor. Prova disso é que Minas vive entre o céu e o inferno em uma mesma rodovia, a BR-381. Se de um lado, é a melhor do estado, do outro, é chamada de Rodovia da Morte”, ressalta o diretor executivo da CNT, Bruno Batista.

A parte da BR-381 (Fernão Dias) entre Belo Horizonte e São Paulo é a única que aparece com conceito ótimo nos quesitos estado geral, pavimento, sinalização e geometria, que foram observados pelos pesquisadores. Na outra ponta, entre a capital e o Vale do Aço, ela é considerada regular em todos os tópicos.

As situações extremas são ainda mais visíveis quando comparados os trechos administrados pelo poder público e os entregues à iniciativa privada. Nos 13.286 quilômetros sob gestão pública, apenas 38,4% foram considerados ótimos e bons. Nos 890 quilômetros sob gestão concessionada, ou seja, trechos privatizados, em que os usuários pagam pedágios, 87,4% estão ótimos e bons.
Dezessete equipes da CNT percorreram o Brasil durante 39 dias, de 27 de junho e 4 de agosto deste ano. Os resultados são por tipo de gestão (pública ou concedida), de rodovia (federais ou estaduais), por região e estados (veja arte).

A pesquisa não faz um comparativo da evolução das rodovias de Minas entre 2010 e 2011. No Brasil, apenas 12,6% dos trechos foram considerados ótimos no trabalho atual, 30% estão bons, 30,5% regulares, 18,1%, ruins e 8,8% péssimas. No ano passado, 7,1% estavam ótimos, 25,6% bons, 37,6% regulares, 20,5% ruim e 9,5% péssimos.

Mais movimento, pouco investimento

Para Bruno Batista, a pequena evolução positiva se deve à falta de investimentos públicos. “Nossas rodovias estão saturadas. Entre 2008 e 2011, mais 10 milhões de veículos passaram a circular pelas estradas brasileiras, mas o país viu surgir apenas 657 novos quilômetros. Em 2010, R$ 9,85 bilhões foram investidos em infraestrutura rodoviária, o equivalente a 0,26% do Produto Interno Bruto (PIB). O ideal é que sejam investidos R$ 405 bilhões anualmente”, afirma. Segundo ele, a China investe 10% do PIB, a Índia 8% e a Rússia 7%.

Fonte: Hoje em Dia

Sobre Ramon Rocha

Jornalista e Fotógrafo por paixão, Analista de Sistemas, empresário e administrador, me formei na Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP) e venho atuando nos mais diversos segmentos empresariais na gestão de tecnologia (TI), suprimentos e recursos administrativos. Proprietário do Guia Gerais, criei este projeto com o intuíto de levar entretenimento e informações úteis para o Estado de Minas Gerais, fornecendo uma agenda de eventos atualizada, cobertura de eventos, notícias e um guia completo de empresas, produtos e serviços.

Veja também

BH recebe, neste fim de semana, 15 e 16, o Universo das Blogueiras

Universo das blogueiras divulga a programação Oficial Neste fim de semana, 15 e 16, chega …

Mineirão sedia o Festeja Belo Horizonte em setembro

O evento, que será realizado dentro do estádio, no dia 09 de setembro, contará com …

43ª Expomontes supera expectativas e é sinônimo de sucesso

Terminou, neste domingo (09), a maior feira da agropecuária do interior de Minas, a Expomontes, …

Deixe uma resposta

X